ter. out 15th, 2019

Coringa divide opiniões daqueles que votam as indicações do Oscar

Desde que estreou nos cinemas na semana passada, Coringa é um enorme sucesso e vem quebrando diversos recordes para um filme que estreou no mês de outubro. Mas, ainda que seja um enorme sucesso de bilheteria, não é possível dizer a mesma coisa da crítica.

Coringa é, facilmente, o filme mais polêmico do ano. Enquanto muitas pessoas o considerem um dos melhores longas de 2019 e um forte candidato ao Oscar, outras acusam o filme de romantizar algumas ideias perigosas, e por isso talvez ele não deva ganhar mais atenção do que já possui.

Por conta dessa polêmica, o jornalista Scott Feinberg, do Hollywood Reporter, entrou em contato com suas fontes que fazem parte do conselho de votação da Academia (que é quem decide quais filmes serão indicados ao Oscar e quem irá levar a estatueta) para saber a opinião deles sobre as chances do filme na premiação. As opiniões foram dadas de forma anônima, para não comprometer a futura votação dos indicados, mas mostra que, talvez, o filme de Todd Phillips não seja presença tão garantida no Oscar quanto os fãs acreditam.


Siga no Instagram: acompanhe nossos bastidores, converse com nossa equipe, tire suas dúvidas e saiba em primeira mão as novidades que estão por vir no Canaltech.

ATENÇÃO: A partir daqui, podem aparecer alguns spoilers sobre o filme Coringa, então se você ainda não assistiu prossiga por sua conta e risco

Existem apenas duas opiniões que são compartilhadas pelos membros entrevistados por Feinberg que podem ser consideradas unânimes: a de que o filme é tecnicamente muito bem feito e que o diretor Todd Phillips caprichou demais em sua ambientação de uma Gotham que lembra a Nova York da década de 70, criando diversas cenas de tirar o fôlego; e a de que esse é um dos melhores trabalhos de Joaquin Phoenix, que consegue levar o filme nas costas de forma impecável — fazendo com que a nomeação para o Oscar de Melhor Ator seja uma das apostas mais certeiras sobre o papel do filme na premiação. Agora, fugindo disso, as opiniões sobre o longa divergem totalmente.

Uma opinião levantada por mais de um dos votantes é o fato de, para eles, o filme não possuir uma visão clara sobre o que quer transmitir ao público além da violência gratuita. Essas pessoas admitem que o filme levanta questões importantes da nossa sociedade atual — como a cultura incel, o bullying e a violência exacerbada —, mas não se posiciona sobre nenhum desses assuntos, fazendo com que o filme se torne belo, mas vazio de significado.

Outra crítica comum é quanto a forma como ele retrata problemas mentais, que muitos acreditam ter sido mostrada de forma problemática — principalmente a parte que o personagem dança após matar uma pessoa, pois temem que alguns indivíduos possam enxergar esse comportamento como algo “sexy” a ser imitado. Há também um receio pelo tipo de violência mostrado no filme e de que a caracterização um tanto romantizada dela pode acabar influenciando algumas pessoas a se identificar e querer imitar o personagem.

Esse ponto da violência é um dos mais citados pelos críticos ao filme, que afirmam que saíram do cinema se sentindo profundamente incomodados. Uma das declarações mais fortes é a de um produtor que já foi mantido como refém por um louco com uma arma, e que desde que assistiu o filme não consegue desvincular algumas cenas do longa de seu trauma real.

Ao mesmo tempo, outros membros da Academia elogiaram muito o filme. Muitos citaram Coringa como o melhor filme de super-herói que já viram, torcendo para que ele abra caminho para outros longas do tipo.

Entre os que elogiam o filme, ele não é um filme nem aborda pontos problemáticos, enxergando a caracterização da doença mental e da violência do personagem como uma forma de não apenas fazer um estudo de personagem, mas também de tentar transmitir para a tela muitas das inquietações que temos na nossa sociedade atual. Um desses membros fez até um paralelo com o filme Laranja Mecânica de Stanley Kubrick, que, quando foi lançado em 1971, também foi considerado um filme de violência gratuita e sem conteúdo, e apenas passou a ser apreciado anos depois.

Assim, é possível encontrar entre os que gostaram do filme pessoas que não apenas acreditam que Coringa deve ser indicado ao Oscar, mas também que merece ser um forte concorrente não apenas ao prêmio de Melhor Ator pelo trabalho de Phoenix, mas também ao de Melhor Filme — enquanto, ao mesmo tempo, aqueles mais críticos acreditam que o filme não deve ser lembrado pela Academia em sua premiação.

É possível ver que a polêmica criada pelo filme é real não apenas nas redes sociais entre as pessoas que lotaram as salas de cinema neste final de semana, mas até mesmo entre as próprias pessoas da indústria, que não conseguem decidir se ele é um dos melhores ou um dos piores filmes já produzidos no ano. Mas, independente da resposta final, uma coisa é certa: com apenas uma semana de exibição, Coringa já pode ser considerado um filme histórico por todas suas controvérsias.

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech:

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: